Milhões de pessoas fazem fila para comer de graça nos EUA

3 meses ago
390

Bancos de alimentos estão multiplicando a distribuição, mas temem que não sejam capazes de lidar com a crescente demanda

Desempregados e sem dinheiro devido à pandemia de coronavírus, milhões de pessoas ficam na fila por horas nos Estados Unidos para receber comida de graça. Os bancos de alimentos, que já atendem uma população vulnerável, estão multiplicando a distribuição, mas temem que não sejam capazes de lidar com a crescente demanda.

As mesmas cenas são exibidas em todo o país, de Nova Orleans a Detroit e Nova York, onde o governo da cidade oferece café da manhã, almoço e jantar gratuitos em várias partes da cidade.

São imagens de uma população desesperada, que em geral perdeu o emprego e, portanto, sua renda, aguardando a chegada de um cheque do governo federal, que aprovou no final de março um grande plano de apoio à economia.

Mas para alguns, como milhões de imigrantes sem documentos, principalmente de origem latino-americana, não haverá cheque, alertou o governo Donald Trump.

“Estou sem nada” “Eu já tenho dois meses agora que não trabalho porque fui quase um dos primeiros que o vírus pegou, e então não tenho emprego e também não tenho dinheiro”, disse à AFP Domingo Jiménez, imigrante que ficou na fila por mais de três quarteirões. Sexta-feira para receber comida do governo municipal de Corona, Queens, um dos bairros mais afetados pelo COVID-19 em Nova York.


“Venho aqui buscar comida, seja o que for, porque estou praticamente sem nada”, acrescentou.

Na terça-feira, mais de 1.000 veículos aguardavam na fila em uma distribuição organizada pelo banco de alimentos de Pittsburgh, Pensilvânia, cuja demanda aumentou 38% em março.

Em oito operações excepcionais como essa, foram entregues cerca de 227 toneladas de alimentos, explicou Brian Gulish, seu vice-presidente.


“Muitas pessoas usam nossos serviços pela primeira vez”, observou ele. “É por isso que as filas são tão longas. Eles não conhecem nossa rede” de mais de 350 pontos de coleta no sudoeste da Pensilvânia, disse ele.

Em 9 de abril, em San Antonio, Texas, cerca de 10.000 veículos alinhados em um banco de alimentos, alguns da noite até a manhã seguinte. “Não trabalhamos há meses”, diz Alana, uma latina que prefere não dar seu sobrenome na cidade de Chelsea, nos arredores de Boston, a mais afetada pela pandemia no estado de Massachusetts. “Ontem vi uma mulher com um bebê de 15 dias e duas outras crianças, o marido está desempregado e ele não tem mais comida em casa. Eu dei a ele o que ele tinha”, disse ela à AFP durante uma distribuição de comida por soldados de Guarda Nacional. Por: Mais Goiás

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga-nos

Nossas redes sociais

Outras notícias

Notícias mais recentes
L
Ludhmilla Hajjar se posicionou porquê o prefeito Roberto Naves e Siqueira usa sempre o nome da médica para gabaritar o atendimento da saúde no município

MÉDICA LUDHMILLA HAJJAR DESAUTORIZA SECRETÁRIO DE SAÚDE DE ANÁPOLIS

PANDEMIA: Em longa entrevista ao jornalista Jairo Mendes a especialista em medicina Ludhmilla Hajjar fala sobre o uso da Cloroquina e da Hidroxicloroquina. https://www.youtube.com/watch?v=3NDlzrYIAfM MÉDICA LUDHMILLA HAJJAR DESAUTORIZA SECRETÁRIO DE SAÚDE DE ANÁPOLIS "Infelizmente alguns médicos, algumas pessoas, eles se...

2
HOMEM PRESO EM ANÁPOLIS ALEGA TER MATADO JOVEM APÓS LEVAR UM TAPA DURANTE UMA PARTIDA DE TRUCO

HOMEM PRESO EM ANÁPOLIS ALEGA TER MATADO JOVEM APÓS LEVAR UM TAPA DURANTE UMA PARTIDA DE TRUCO

3
Caiado anuncia testagem em massa para coronavírus em 78 municípios

Caiado anuncia testagem em massa para coronavírus em 78 municípios

4
Anápolis registra mais uma morte em decorrência da Covid-19

Anápolis registra mais uma morte em decorrência da Covid-19