Aliado de primeira hora do presidente da República, deputado federal não se filia ao PL: “Mimadinho”, critica interlocutor

Prevista para acontecer neste domingo (27/03) junto com o lançamento da pré-candidatura de Jair Bolsonaro a reeleição, a filiação do deputado federal Major Vitor Hugo ao PL ficou só nos anseios do parlamentar. Acontece que o presidente da República não quis dar garantias que o parlamentar iria representá-lo como pré-candidato ao Governo de Goiás. Está dividido com o apoio ao prefeito de Aparecida, Gustavo Mendanha (sem partido) que tenta buscar espaço na legenda bolsonarista. 

A derrocada na filiação de Vitor Hugo aumenta as especulações em torno de uma pré-candidatura do prefeito de Aparecida, Gustavo Mendanha pelo PL, o partido de Bolsonaro. Ele passou o sábado em Brasília tentando fazer articulações para encontrar abrigo e assim, consolidar seu nome para a disputa eleitoral. O obstáculo para isso tem nome e é justamente o deputado federal.

A reportagem do Diário de Goiás tentou entrar em contato com o deputado federal Major Vitor Hugo, tanto diretamente por meio de telefone como pela assessoria. Sem sucesso. “Ele não está atendendo ninguém”, disse um aliado do presidente da República. “Saiu do evento chateado, como um menino mimado, sem garantias que seria pré-candidato”, complementou. “Não quis nem se filiar”.

Sem sequer filiação garantida, Major Vitor Hugo acaba perdendo forças dentro da própria ala bolsonarista. “Queremos unir todo o mundo. Não há necessidade de divisão”, pontua. “Agora, é unir em torno e fazer coro ao nome de Gustavo Mendanha que já vai muito bem nas pesquisas e é o único que pode ameaçar Ronaldo Caiado”.

O PL, mira com o nome de Gustavo Mendanha, o apoio do PP, Patriotas e Republicanos. “Major Vitor Hugo quer chapa bolsonarista pura. Sem buscar convergência com ninguém. Isso na política não existe. Na democracia, tem que haver espaço até para vozes discordantes”. 

Seja como for, tanto Mendanha como Vitor Hugo correm contra o tempo para definirem seus respectivos futuros. O prazo para definir os rumos partidários termina no próximo dia 2 de abril. Até lá, ambos já devem ter tido suas arestas aparadas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.