Jovem foi morta em Goiânia porque amiga queria testar se era psicopata

1 mês ago
1531

PCGO elucidou o assassinato de Ariane Bárbara Laureano, de 18 anos. Corpo dela foi encontrado no dia 30/8 e a morte foi planejada por amigos

Goiânia – Para testar se era psicopata e como se comportaria após cometer o assassinato de uma pessoa, uma amiga e outros dois comparsas planejaram a morte da jovem Ariane Bárbara Laureano de Oliveira, de apenas 18 anos. Ela foi dada como desaparecida entre os dias 24/8 e 30/8, quando o corpo foi encontrado em uma área de mata, no Setor Jaó, em Goiânia.

O delegado Marcos de Oliveira Gomes, da Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), apresentou nesta quarta-feira (15/9) os detalhes sobre a elucidação do caso. Segundo ele, três amigos (duas moças e um rapaz) traçaram o plano do homicídio de Ariane e a escolheram aleatoriamente, com a intenção única de testar o comportamento psíquico de umas das garotas envolvidas no crime

Ariane foi atraída por eles, no dia 24/8, ao ser convidada para sair e tomar um lanche. Ela chegou a enviar uma mensagem de áudio para a mãe, avisando que sairia com as amigas. Pelo tom da fala, ela aparentava estar alegre e animada para o compromisso, conforme descrição do delegado. A última vez que a mãe a viu foi às 20h daquele dia, quando ela saiu de casa.

Raíssa Nunes Borges, de 19 anos, Enzo Jacomini Carneiro Matos, que se apresenta como Freya, de 18, e Jeferson Cavalcante Rodrigues, 22, passaram de carro no Lago das Rosas, no Setor Oeste, onde combinaram de pegar Ariane. Assim que ela entrou no veículo, deu-se início ao plano que eles haviam elaborado.

Tudo foi relatado ao delegado, durante interrogatório e confissão do homicídio. A descoberta começou com a identificação das amigas que teriam convidado Ariane para sair no dia em que ela desapareceu e, em seguida, do veículo que teria transportado o corpo da jovem até o local onde ele foi abandonado.

“Estalar de dedos”

Os presos têm entre 18 e 22 anos, sem passagem pela polícia e, de acordo com a investigação, escolheram até a música que tocaria no carro, na hora do crime.

O combinado era deixar a música rodar, enquanto eles andavam de carro pela cidade, em direção ao Setor Jaó, e Jeferson daria um sinal para que o assassinato fosse iniciado: um estalar de dedos.

Ele conduzia o veículo, enquanto uma das garotas estava no banco do carona. Atrás, estavam Ariane e a outra jovem envolvida no crime. Quando o rapaz estalou os dedos, a menina que estava ao lado da vítima tentou enforcá-la e a deixou desacordada, somente.

Enzo Jacomini, Jeferson Rodrigues e Raíssa Borges foram presos suspeitos de matar amiga em Goiânia

Nesse momento, segundo o delegado, a jovem que estava no banco da frente virou-se para trás e deu uma facada em Ariane – a primeira de três facadas que ela levou.

“Foi um verdadeiro ritual dentro do carro, e tudo combinado na noite anterior. Eles entraram em contato com a vítima, entraram no veículo com tudo já programado, Ariane entraria, eles iriam sentido Setor Jaó e, em determinado momento, ele (Jeferson) ligaria uma música específica e estalaria os dedos para sinalizar o início do homicídio”, conta o delegado.

Escolha pela estatura

Os presos relataram que não havia um motivo para o assassinato de Ariane, além da intenção de testar o suposto comportamento e psicopatia de uma das envolvidas. Se não fosse ela, segundo o delegado, teria sido outra vítima. Os três jovens estavam fechados na intenção de praticar o crime

A escolha de Ariane teria ocorrido de maneira aleatória, devido à baixa estatura dela. Em caso de possível reação, eles calcularam que seria fácil de controlá-la e matá-la.

“Nenhum demonstrou arrependimento nos dias posteriores ao crime. Só um dos envolvidos, na verdade. Os outros dizem que deveriam ter feito isso mesmo para terem a certeza. Uma das pessoas presas queria certificar se era psicopata ou não e, para ter a certeza, deveria matar alguém e saber qual seria a reação depois”, diz Marcos de Oliveira Gomes.

Resquícios de sangue da jovem foram encontrados e confirmados pela perícia na faca utilizada no crime e no carro que transportou o corpo dela até o local onde ele foi abandonado.

“Comportamento abjeto”

O delegado-geral da Polícia Civil de Goiás (PCGO), Alexandre Pinto Lourenço, falou durante a apresentação dos detalhes da investigação e considerou “abjeto” o comportamento dos jovens que planejaram a morte de Ariane.

“Por uma brincadeira, na perspectiva de testarem o comportamento de uma das pessoas envolvidas, levaram à morte de uma inocente, uma pessoa que acreditava estar entre amigos”, diz ele.

O caso, para o delegado, foi emblemático. Além da repercussão que gerou, ele demonstra os cuidados que os pais devem ter ao acompanhar o desenvolvimento dos filhos. Ele fez um alerta, nesse sentido, para que os pais fiquem atentos ao comportamento dos jovens.

O corpo de Ariane só foi encontrado no dia 30/8, porque moradores próximos ao local da mata começaram a sentir o forte odor. Ele foi encontrado em avançado estágio de decomposição e a identificação se deu pelas digitais da garota

Ariane Barbara Desaparecida Goias
Ariane Bárbara Desaparecida Goias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga-nos

Nossas redes sociais

Outras notícias

Notícias mais recentes
A
Aviões da FAB

Cocaína em aviões da FAB: traficantes tramaram morte de testemunhas

Os investigados se encontraram na casa de Marcos Daniel, o Chico Bomba. A mansão é avaliada em R$ 4 milhões Uma mansão localizada no Lago Sul (foto principal), região nobre de Brasília, serviu de palco para uma reunião macabra de...

2
Esposa

Após polêmica, mulher de Zé Vaqueiro promete abrir o jogo sobre sogra

3
BBB21

Juliette recebe 2ª dose da vacina contra Covid-19 e celebra a ciência

4
Ana

” Muita gente viu um clarão na capela”, diz esposa de pastor que prometeu resucitar