CANDIDATO PROPÕE SEGREGAÇÃO A ALUNOS AUTISTAS

1 mês ago
184

EDUCAÇÃO PÚBLICA: Portal de Anápolis convidou especialista em Educação Inclusiva para avaliar proposta de Roberto Naves e Siqueira, sobre criar uma escola para autistas.

O Cemad é Centro Municipal de Atendimento à Diversidade. A função do centro segundo a professora é “oferecer um atendimento multiprofissional aos alunos com alguma especificidade, levando em conta que esses estudantes já sejam atendidos pela ensino regular.” Para a docente especialista em Educação Inclusiva, a proposta de se criar uma “escola para autistas” é uma política de segregação. De acordo com a profissional “a legislação do Brasil assegura o direito à igualdade a todos os estudantes com alguma deficiência, para participarem de quaisquer lugares de formação, seja ela cultural ou escolar, sobretudo de maneira isonômica. Sem nenhuma distinção ou mesmo segregação. Ainda segundo a professora, a proposta do candidato é um retrocesso do ponto de vista de políticas públicas inclusivas. “É um retorno a tempos onde os alunos com algumas diferença, eram segregados a espaços que não permitiam o pleno desenvolvimento desse educando. É lamentável ler uma proposta dessa. Mostra um profundo desconhecimento da legislação.” finaliza a especialista.

Foto Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga-nos

Nossas redes sociais

Outras notícias

Notícias mais recentes
A
Argentina

Diego Maradona morre aos 60 anos na Argentina

Segundo jornal Clarín, da Argentina, maior jogador de futebol da história do país sofreu uma parada cardiorespiratória O argentino consagrado como um dos melhores jogadores de futebol da história, Diego Armando Maradona, morreu aos 60 anos. A informação, divulgada pelo...

2
Francisco José de Camargo

Morre Francisco Camargo, pai dos sertanejos Zezé e Luciano

3
"Quadrilhão do PP desviou milhões de reais dos cofres públicos.

“Quadrilhão do PP desviou milhões de reais dos cofres públicos.”

4
Creches e Cmeis:

“Toda vez que eu ligava lá, eles me diziam: não tem vaga.”