Segundo o presidente, Viagra é usado para tratar hipertensão pulmonar arterial (HPA). Entretanto, especialistas dizem que dosagens previstas na licitação não são adequadas para a doença

O presidente Jair Bolsonaro criticou nesta quarta-feira (13) a polêmica em razão da compra aprovada pelas Forças Armadas de mais de 35 mil unidades de sildenafila, medicamento conhecido pelo nome comercial de Viagra.

O processo licitatório prevê a aquisição de comprimidos de 25 mg e de 50 mg de Viagra. O Ministério da Defesa informou que o medicamento, usado em casos de disfunção erétil, será empregado no tratamento de militares com hipertensão pulmonar arterial (HPA), o que é aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Especialistas ouvidos pelo g1, entretanto, apontaram que a doença é incomum e que a licitação comprou comprimidos com doses indicadas para disfunção erétil, não HPA (leia mais abaixo).

Durante um café da manhã com ministros, parlamentares e pastores evangélicos, na residência oficial do Palácio da Alvorada, Bolsonaro afirmou que as Forças Armadas estão “apanhando” por causa da compra e criticou a imprensa por noticiar o caso. A fala do presidente foi transmitida por um deputado em uma rede social.

“As Forças Armadas compram o Viagra para combater a hipertensão arterial e, também, as doenças reumatológicas. Foram 30 e poucos mil comprimidos para o Exército, 10 mil para a Marinha, e eu não peguei da Aeronáutica, mas deve perfazer o valor de 50 mil comprimidos”, disse o presidente.

“Com todo o respeito, isso é nada. A quantidade para o efetivo das três forças, obviamente, muito mais usado pelos inativos e pensionistas.”

Dosagem inadequada

Especialistas ouvidos pelo g1 na terça-feira (12) afirmaram que, nas dosagens previstas na licitação das Forças Armadas, o Viagra não é adequado para tratar HPA. No caso da HPA, o padrão é utilizar o comprimido de 20 mg. Além disso, a doença não é comum e atinge mais mulheres do que homens.

Segundo o médico Marcelo Bandeira, da Sociedade Brasileira de Cardiologia, a dose de Viagra de 25mg, que consta na licitação, é usada para disfunção erétil. Apenas quando há falta do medicamento de 20 mg é que a Sociedade Brasileira de Cardiologia admite o uso em dosagens maiores, de 25 mg e de 50 mg.

A pneumologista Margareth Dalcolmo destacou que a HAP é “uma doença incomum, que depende de diagnóstico relativamente sofisticado e que acomete gente mais jovem, entre 20 e 40 anos, principalmente, mulheres”.

g1 questionou o governo federal para saber quantos militares têm HAP, mas as Forças Armadas disseram não ter esse dado.

SEJA SÓCIO REI AGORA!

A licitação

O processo licitatório para a compra dos 35 mil comprimidos pelas Forças Armadas está no Portal da Transparência do Governo Federal e ganhou repercussão nesta segunda-feira (11), depois que o deputado federal Elias Vaz (PSB-GO) pediu explicações ao Ministério da Defesa sobre a aquisição.

Do total de 35 mil comprimidos, o processo licitatório solicita a aquisição de sildenafila de 25 mg e 50 mg, distribuídos da seguinte forma:

  • 28.320 unidades destinadas à Marinha;
  • 5 mil unidades destinadas ao Exército;
  • e 2 mil unidades destinadas à Aeronáutica.

Jair Renan

Bolsonaro também comentou nesta quarta o caso do filho Jair Renan, que na semana passada prestou três horas de depoimento à Polícia Federal, em Brasília. Ele é investigado por suspeita de lavagem de dinheiro e de tráfico de influência no governo federal.

“O moleque tem 24 anos agora, acho que ninguém conhece ele, vive com a mãe, há muito tempo está longe de mim, mas recebo ele de vez em quando aqui. Tem a vida dele, não vou dizer se está certo ou se está errado, mas peço a deus que o proteja. Mas isso é o tempo todo, é 24 horas por dia”, disse o presidente.

O inquérito foi aberto em março do ano passado, a pedido do Ministério Público Federal, com base em uma denúncia apresentada por parlamentares de oposição ao governo.

A PF investiga se Jair Renan atuou, em novembro de 2020, para que a empresa Gramazini, do ramo de mineração e construção, conseguisse duas reuniões no Ministério do Desenvolvimento Regional para falar sobre um projeto de construção de casas populares.

À época da abertura das investigações, a empresa do filho de Bolsonaro, chamada Bolsonaro Jr Eventos e Mídia, postou uma foto de duas peças de mármore, que decoram o escritório, e marcou a Gramazini.

34 thoughts on “Bolsonaro critica polêmica por compra de Viagra pelas Forças Armadas: ‘Isso é nada’”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.