Uma reviravolta veio à tona horas após Jailton Nunes Cruz, de 45 anos, ser encontrado morto durante a madrugada desta terça-feira (16), em Anápolis. À princípio, o homem teria sido espancado com pauladas e pedradas, no cruzamento da Avenida Goiás com a Avenida Brasil. O caso era tratado como homicídio, porém, a Polícia Civil acredita que Jailton possa ser vítima de uma morte acidental.

Com exclusividade, o jornalista Jonathan Cavalcante trouxe atualizações do caso no Plantão Policial divulgado na manhã desta quarta-feira (17). Fontes da Polícia Civil informaram que, possivelmente, Jailton Nunes Cruz teria caído em via pública após subir em um poste com o objetivo de danificar uma possível câmera de monitoramento.

Entenda o caso

Por ser “novato” na região, Jailton teria recebido o convite de usuários de entorpecentes que ficam na região das avenidas Goiás e Brasil. Os usuários desconfiavam de uma lâmpada com luz vermelha que, segundo eles, seria uma câmera instalada para que fossem monitorados. Antes disso, os traficantes tentaram quebrar a suposta câmera arremessando pedras e pedaços de madeira, porém, sem sucesso.

Então, os usuários de drogas teriam pedido para que Jailton subisse no poste e quebrasse a câmera. Em troca, a vítima receberia entorpecentes para realizar o “serviço”. No entanto, a reportagem apurou que ao subir no poste, Jailton teria caído com a cabeça no chão, o que possivelmente provocou a morte do homem que era morador do povoado de Placa, em Pirenópolis.

Grupo de Investigação de Homicídios apura possível morte acidental

A reportagem da Rádio São Francisco FM apurou que as pedras e pedaços de madeira encontradas no local indicavam que o homem teria sido assassinado, porém, as investigações e a perícia indicam que os objetos não teriam vínculo com a morte da vítima.

📝 Jonathan Cavalcante (@jonathancavalcantejor)
@saofrancisco97fm

Patrocinado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *